“Marca da Besta: literal ou simbólica?”, pastor responde

  • 14/05/2024
“Marca da Besta: literal ou simbólica?”, pastor responde
“Marca da Besta: literal ou simbólica?”, pastor responde (Foto: Reprodução)

A “Marca da Besta” é descrita no livro de Apocalipse onde muitos relatam ter dúvidas em relação à interpretação do tema. Pensando nisso, o pastor Dan Delzell, da Igreja Luterana Redeemer em Papillion, Nebraska, nos Estados Unidos, reuniu reflexões sobre alguns questionamentos específicos.

O apóstolo João descreveu a marca da besta nos capítulos ‭13‬:‭16‬-‭18‬ e 14-1 de ‭‭Apocalipse‬, que dizem:

“Ele obrigou todas as pessoas, importantes e humildes, ricas e pobres, escravas e livres, a terem um sinal na mão direita ou na testa. Ninguém podia comprar ou vender, a não ser que tivesse esse sinal, isto é, o nome do monstro ou o número do nome dele. Isso exige sabedoria. Quem é inteligente pode descobrir o que o número do monstro quer dizer, pois o número representa o nome de um ser humano. O seu número é seiscentos e sessenta e seis. Depois olhei e vi o Cordeiro em pé no monte Sião. Com ele estavam cento e quarenta e quatro mil pessoas que tinham o nome dele e o nome do Pai dele escritos na testa delas”.

Durante uma entrevista, o pastor emérito Sam Storms, da Bridgeway Church em Oklahoma City, Estados Unidos, comentou: 

"Ninguém que eu conheço acredita que todos os cristãos terão literal e fisicamente os nomes de Jesus e do Pai tatuados em suas testas. Esta é simplesmente uma maneira de descrever que aqueles nascidos de novo e redimidos pelo sangue de Cristo pertencem a Ele e ao Seu Pai e são preservados na fé pela habitação do Espírito Santo”.

Alguns cristãos interpretam este versículo literalmente, enquanto outros, o interpretam simbolicamente. Então, o pastor disse:

"Não acredito que a chamada 'marca da besta' seja uma marca literal e física nos corpos dos incrédulos, seja na testa ou na mão direita. Ao longo de Apocalipse, vemos Satanás fazendo todos os esforços para copiar seja o que for que Deus faça. Por exemplo, as três pessoas da Trindade — Pai, Filho e Espírito Santo — encontram sua contraparte maligna em Satanás, na besta e no falso profeta. A besta é retratada morrendo e ressuscitando”. 

“A 'marca' da besta que os incrédulos recebem na testa ou na mão direita é uma imitação demoníaca, uma paródia depravada, uma imitação falsificada da 'marca' que os crentes recebem em suas mãos e testa”, acrescentou.

Símbolos 

Em Apocalipse 13:17, João descreve as pessoas sendo incapazes de comprar ou vender a menos que tenham a marca.  

Sobre isso, Delzell cita o seguinte questionamento: “Os versículos no capítulo 13 de Apocalipse descrevem os crentes sendo perseguidos por alguns anos logo antes de Cristo retornar à Terra, ou eles simbolizam a perseguição que os seguidores de Cristo têm suportado nos últimos 2.000 anos e as tribulações que continuarão até o Senhor retornará?”.

Para responder a indagação, ele cita o livro “O Comentário do Púlpito", publicado pela primeira vez em 1880 com 100 colaboradores, que afirma:

"A maneira pela qual este versículo (v. 17) foi cumprido nos primeiros anos da Igreja é suficientemente notória. Então, a fidelidade à causa de Cristo frequentemente significava o banimento de amigos, parentes e lar. O próprio João estava sentindo o efeito disso no momento em que escreveu estas palavras no exílio em Patmos. Assim, nos dias atuais, os judeus consideram um estranho total qualquer um deles que abraça o Cristianismo”.

O professor do Novo Testamento, Dr. Gregory K. Beale, escreveu: "O principal modo de comunicação no Apocalipse é o simbolismo. Nem Paulo nem os outros escritores do Novo Testamento usam isso como forma principal de comunicação. Por que João faz isso no Apocalipse?”.

Respondendo a pergunta, Beatle disse que uma das razões é porque as visões não podiam ser expressas apenas por palavras, porque João viu coisas que não conseguia descrever. 

“Portanto, ele as colocou em imagens. Além disso, os símbolos mostram continuidade com o Antigo Testamento, porque muitos deles vêm daí", explicou ele.

Quanto às 144.000 pessoas descritas em Apocalipse 14:1, Beale informou que alguns teólogos veem os 144 mil como “um símbolo da totalidade do povo redimido de Deus, abrangendo tanto judeus como gentios, que são selados por Deus e protegidos ao longo da história”. 

Outros como o autor americano Dr. David Jeremiah, interpretam o número literalmente. Para Jeremias, os 144.000 "serão judeus que receberão um chamado especial do Senhor" e "haverá 12.000 testemunhas de cada uma das 12 tribos de Israel que provocarão um avivamento milagroso durante a Tribulação".

Fim dos tempos

Delzell informou que seja qual for a maneira como os cristãos interpretam essas passagens, eles devem se lembrar de que “um grande número de crentes maduros não compartilha da sua perspectiva particular”. 

Citando o capítulo 20 de Apocalipse, Delzell fornece outro exemplo: “O período de 1.000 anos deveria ser entendido literalmente ou representa um período de tempo perfeito? E quando isso ocorre? Não faltam opiniões entre os cristãos sobre esta questão enigmática”.

Em seu artigo de opinião publicado no The Christian Post, “Sua Escatologia Não Determina Sua Eternidade”, ele escreve: 

“Sua visão particular do fim dos tempos aumenta seu amor por Jesus e pela Palavra de Deus? Expectativa pelo retorno do Senhor e seu amor pelos perdidos. Se sim, fique feliz. Sua perspectiva escatológica aumenta seu desejo por uma vida santa? Se sim, ótimo. Uma visão alternativa do fim dos tempos? Se não, então o seu crescimento espiritual foi atrofiado".

E continuou: “O Espírito Santo orienta e capacita os crentes a encorajarem e edificarem uns aos outros (1 Tessalonicenses 5:11), mesmo quando interpretamos passagens desconcertantes de maneira diferente”. 

Ele concluiu com uma reflexão do evangelista DL Moody, que ofereceu aos cristãos conselhos sábios sobre como encarar o fim dos tempos. 

Em um sermão intitulado “Quando Meu Senhor Jesus Vier”, Moody disse: “Você deveria estudar a Bíblia por si mesmo e chegar às suas próprias conclusões”.

FONTE: http://guiame.com.br/gospel/mundo-cristao/marca-da-besta-literal-ou-simbolica-pastor-responde.html


#Compartilhe

Aplicativos


Locutor no Ar

Top 5

top1
1. Vida Vazia

Josias Morais

top2
2. Tadinho de mim

Canção e Louvor

top3
3. João Paulo & Joel

Tua vitória

top4
4. Acalma o meu coração

Anderson Freire

top5
5. Não Pare

Midian Lima

Anunciantes